Demanda por mandioca deve ser maior em 2021



Área ocupada diminuiu, enquanto a produtividade não aumentou
Por AGROLINK -Eliza Maliszewski | Publicado em 04/01/2021 às 13:23h.


Nos últimos anos, a área ocupada com mandioca no Brasil diminuiu, enquanto a produtividade não aumentou. Como resultado desse cenário, a oferta tem sido menor, e, pelo menos por enquanto, é o que também se espera para 2021.

Nas áreas de mandioca destinada à indústria, produtores avançaram com a colheita e a comercialização de raízes de 1º ciclo ainda em 2020, reduzindo a disponibilidade do produto em 2021. Segundo colaboradores do Cepea, os reflexos da pandemia de covid-19 na cadeia produtiva da mandioca em 2020 foram transitórios, mas, ainda assim, o ano foi marcado pela menor demanda por derivados.

Para 2021, há expectativa de retomada da economia, o que pode elevar a procura pelos derivados de mandioca e a necessidade de processamento de raízes. Com oferta restrita, deve haver maior disputa pela matéria-prima em 2021. As consideráveis altas nos preços de diversos produtos agropecuários devem continuar influenciando a disputa por área. Com exceção dos locais onde a mandiocultura está mais consolidada, outras atividades, especialmente grãos e pecuária, devem tomar parte das áreas com as raízes. Essa decisão também deve estar atrelada ao comportamento dos preços ao longo do ano.


Mandioca é destaque na série “De onde vem o que eu como”

 

Por Paula Salati, G1 | 17/10/2020 07h57 Atualizado há uma semana



Conhecida por diferentes nomes pelo país, como por macaxeira ou aipim, raiz é produzida, em maior parte, por agricultores familiares que estão agregando valor ao alimento para diversificar renda.

Aipim, macaxeira, mandioca: em cada canto do país, ela assume um nome e um uso diferente. No Norte, é transformada nas tradicionais farinhas d’água ou de puba, que são fermentadas em água, em um processo passado de geração em geração pelos índios.

Nativa da América do Sul, a mandioca foi levada para outros países por colonizadores europeus e, atualmente, o Brasil ocupa o 4º lugar na produção mundial, atrás da Nigéria, Tailândia e Indonésia.

A produção nacional gira em torno de 18 milhões de toneladas por ano e é impulsionada por agricultores familiares, que respondem por 80% do cultivo.



Utilidade da mandioca vai da raiz às folhas — Foto: Arte/G1

LEIA MATÉRIA na íntegra, clique aqui


.